sexta-feira, 23 de março de 2007

História sem happy end
Ele era um rapaz cujos olhos coloridos enxergavam o mundo com doçura. Seu olhar, apesar de cansado, expressava ânsia de aprender sempre mais. Acreditava que de tudo pudesse se extrair algo positivo, um ensinamento. Falava de qualquer coisa com paixão e dividia, com aquele que ouvia, esse sentimento. Era humilde, de nobre coração.
Pois, então, chegou o dia em que seu caminho se cruzou com o de uma moça. De personalidade singular e com olhos que, por vezes, tinham apenas duas cores, ela acreditava nos sonhos e não imaginava que se pudesse viver sem amor. E foi uma conversa - uma longa conversa – que os aproximou.
Encontraram-se outras vezes, e podia-se ver na excitação das palavras que algo importante surgia... Decidiram ficar juntos. Pronto! Ficaram juntos, e a vontade de que o hoje se prolongasse se via em cada toque, em cada gesto. Pela primeira vez na vida, amavam! Oh, tal descoberta como traz paz ao espírito! Não faziam planos, ela não lhes dava asas. Por medo ou por não querer, não se sabe. Ele não lhe dava flores – rosas nem outra qualquer; dava, contudo, vida. “Onde há vida, há flores!”, pensava ela. Construíam pouco a pouco uma história duradoura, “sincera” (nas palavras dele) e “grandiosa” (nas dela). E tal história durou “para sempre”, mesmo que “para sempre” nunca tenha chegado.




Paula

3 comentários:

acwo disse...

I like your blog very much :)
keep it up!
acwo
http://tytka.blogspot.com

Paulo disse...

Ruiva sempre tento vir aqui e ler, beijão!!!!
Saudades

ze disse...

Bela crônica.
De tão bela, subestimei-te,
e fui caçar na internet para ver a autoria.
Não há.
Ou melhor, não há outra.

Torço para que seja sobre ti
e o teu momento.

E outro dia mesmo
ainda andavas sem inspiração...

Não escondas teu jogo poético,
Fogo Vermelho.
Dê asas às tuas palavras.
Deixe tuas labaredas arderem.
Não as contenha.
Que elas propaguem tua exuberância para a visão de todos,
já que quem tem talento tem por obrigação exibi-lo,
para que cada vez mais,
mais almas sejam iluminadas por ele.

Felicidades, criança.
RWN
PS: Perdão, acho que foi o café... :-P