segunda-feira, 20 de julho de 2009

quero decolar você
dum pé de suinã
tô deslanchando
daqui de baixo, tudo é muito raso, escorregadio
é tudo muito baixo daqui de baixo
eu gostava quando olhava de cima
quando a textura do chão parecia apenas textura de chão molhado, de terra vermelha molhada
agora, vista de baixo, sentindo, deixa de ser textura, passa a ser tato
e é tão difícil aguentar que só pulando daqui




Paula

3 comentários:

Fernando Al-Bukowski disse...

muito bom... na verdade, a primeira palavra que me veio a cabeça depois que li foi magnífico, mas essa palavra é muito gay, então deixo o muito bom que tem quase o mesmo valor.

(perdoe a ausencia, ando tão intenso ultimamente que não consigo ficar parado, quero-tudo-ao-mesmo-tempo-agora! "De tanto tentar, de tanto querer, de tanto sonhar e não viver, de tanto morrer, tanto amar e sofrer, tanto, tanto me falta agora que o que guardo é menos que um nada. E esse nada, feito de você, é meu tudo")

para você:

sweet, sweet surrender

me diga, ela disse,
uma palavra que me toque.
que penetre meu corpo e
atravesse minha alma
e me faça...
me diga uma palavra que me preencha.
me surpreenda.
apenas diga, diga, diga antes
que seja tarde.
antes que eu deixe de amar-te.
antes que eu enlouqueça sozinha dentro deste inútil corpo de mulher
e me atire no fundo de algum precipício
dentro de mim
e deixe de ser...
de tanto pensar e tentar descobrir quem é ela,
aquela que você tanto quer,
a que você ama
e não diz.
antes disso,
me diga, me toque, me ame.
caminhe embaixo da minha pele e me viva.
apenas diga meu amor diga,
diga para mim que sou eu,
diga apenas que eu sou.
sua, ela disse.

16 de Julho – 2009
Andrew Clímaco.

Reposta:

Amor, ele disse, beije-me.
Beije meus lábios, beije meu cabelo, meus dedos, meu pau, meu saco, meus olhos, meus miolos.
Faça-me esquecer.

Charles Bukowski.

uma bobagem isso.
blow up!

Fernando Al-Bukowski disse...

posso "roubar" esse poema?

paula disse...

pode =)