segunda-feira, 18 de outubro de 2010

seios à revelia
a margem que te acalma
me faz distante
me sinto descone... (coço a garganta)
me sinto desconectada - não sou dada a segundas chances
eu, sucinta,
me arremeto

Um comentário:

Roberto Borati disse...

depois de um tempo, volto e já me deparo com um belíssimo poema, isso, paula! só me dá orgulho!