quinta-feira, 7 de junho de 2007

E os olhos que se fechavam agora só se mantêm abertos, e pesam as olheiras, as quais são bolsas abstratas de cansaço. Ai! Como querem fechar os meus olhos! Mas não se fecham, e a cabeça a rodar a roda do pensamento contínuo como só ele consegue ser; já não sei se acompanho, acho que são minhas ações mecânicas que o fazem. São imagens coloridas, muito diferentes uma da outra; e o som é estridente, e cada vez aumenta mais e mais e mais e mais. Pelageya! Romeo 1, 1! Buracos, e mais buracos! América do Norte! Prazo! Revisão! Ruim! Bom! Posso! Estou sem! Cesar! *Idioma estranho*! aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh Anima!
A cabeça a girar, girar... Os olhos a fechar. . .


Paula

3 comentários:

Carol disse...

Muito bom, muito bom, muito bom.
Espero que você dê seqüência, dê seqüência, dê seqüência a esse belo projeto. Dá-lhe Lucile Haley!

Gabriela disse...

Calma ae, calma a, calma!!! A gente chega lá, gente chega lá, chega lá, lá...

CHÎNÅ .3Ө disse...

a formiga em breve começara a voar...
concentraçao é fundamental, na guerra secreta na Terra, entre bem e o mal!